O discurso de Madonna no VMA – Setembro de 2009

Michael Jackson nasceu em agosto de 1958, e eu também. Michael Jackson

cresceu no subúrbio do Meio-Oeste, e eu também. Michael Jackson teve oito irmãos e irmãs – e eu também.Quando Michael Jackson tinha 6 anos, ele se tornou um superstar e talvez a criança mais adorada do mundo. Quando eu tinha 6 anos, minha mãe morreu.

Eu não tive mãe, mas ele nunca teve infância. E, quando você nunca teve algo, você se torna obcecado por isso. Eu passei minha infância buscando a imagem de minha
mãe; e as vezes até conseguia.  Mas como você faz para recriar sua
infância quando você está sob os olhares do mundo para o resto de sua
vida?

Não há dúvidas de que Michael Jackson foi um dos maiores
talentos que este mundo já teve a chance de conhecer. De que quando ele cantava uma música aos 8 anos de idade, ele era capaz de fazer com que
você sentisse como se um adulto estivesse apertando seu coração com suas
palavras.  De que o modo como ele dançava tinha a mesma elegância de
Fred Astaire e o mesmo impacto de um soco de Muhammad Ali.
De que sua música possuía uma camada extra de magia inexplicável, que não só fazia
você querer dançar, mas que na realidade conseguia fazer você acreditar
que era capaz de voar, de ousar sonhar, de ser tudo o que quisesse ser.
Porque é isso que os heróis fazem. E Michael Jackson foi um herói.

Ele se apresentou em estádios de futebol ao redor do mundo, vendeu centenas
de milhões de discos, jantou com primeiros-ministros e presidentes. As garotas se apaixonavam por ele, os garotos se apaixonavam por ele, todos
queriam dançar como ele. Ele parecia ser de outro mundo, mas ele era também um ser humano.  Assim como a maioria dos artistas, ele era tímido e inseguro.

Não posso dizer que éramos grandes amigos, mas em 1991 eu decidi que queria conhecê-lo melhor. Convidei-o para jantar. Eu disse, ‘”O convite é meu, eu dirijo, só você e eu’”. Ele concordou e apareceu na minha casa sem qualquer guarda-costas.
Fomos até o restaurante no meu carro.  Estava escuro, mas mesmo assim ele usava
óculos escuros. Eu disse, ‘”Michael, me sinto como se estivesse conversando com uma limusine”.  Será que você poderia tirar esses óculos para que eu possa ver seus olhos?’. Ele ficou parado por alguns instantes, e então atirou seus óculos pela janela, olhou para mim
sorrindo, piscou e disse, ‘”Consegue me ver agora? Melhor assim?’”.

Naquele momento fui capaz de enxergar tanto sua vulnerabilidade quanto seu
charme. Passei o resto do jantar tentando convencê-lo a comer batata frita, beber vinho, comer sobremesa e dizer palavrões, coisas que ele parecia jamais se permitira fazer.
Mais tarde, voltamos para minha casa para assistir filme e ficamos sentados no sofá feito duas crianças. Em algum momento do filme, sua mão segurou a minha.
Ele parecia estar procurando uma pessoa amiga e não um romance e fiquei feliz por estar

ali. E naquele instante ele não se sentiu um superstar, ele se sentiu um ser humano. Nós saímos juntos mais algumas vezes e, por algum motivo, perdemos o contato.

Foi então que começou uma verdadeira ‘caça às bruxas’ na vida de Michael, com uma história surgindo após a outra. Eu senti a dor dele. Eu sei como é andar na rua e sentir como se o mundo todo estivesse contra você. Eu sei como é se sentir desamparado e incapaz de se defender, porque o barulho é tão alto que você se convence de que sua voz jamais será ouvida.

Mas eu tive uma infância, e tive a chance de cometer erros e de descobrir meu caminho no mundo sem a luz dos holofotes. Quando soube da morte de Michael Jackson eu estava em Londres, alguns dias antes do início da minha turnê. Michael ia se apresentar no mesmo local que eu, uma semana depois. Naquele instante, só consegui pensar que eu o havia abandonado. Que nós o havíamos abandonado.
Que havíamos permitido que aquela criatura magnífica, que um dia agitou o mundo, caísse
enquanto tentava construir uma família e reconstruir sua carreira.Estávamos ocupados demais fazendo julgamento. A maioria de nós lhe deu as costas. Em uma tentativa desesperada de manter sua memória viva, fui para a internet assistir alguns de seus vídeos em que ele aparecia cantando e dançando na TV e nos palcos e pensei: ‘Meu Deus, ele era tão único, tão original, tão raro. E jamais haverá alguém como ele novamente’. Ele era um rei. Mas ele também era um ser humano. E nós as vezes precisamos perder algo para aprender a dar valor.

Quero concluir de forma positiva, e dizer que meus filhos de 9 e 4 anos são obcecados por
Michael Jackson. Eles o imitam com os passos ‘moonwalker’ e colocando a mão na virilha, e parece que há uma nova geração descobrindo sua genialidade e trazendo-o de volta à vida. Espero que, onde quer que Michael esteja agora, ele esteja sorrindo a respeito disso.

Sim  sim, Michael Jackson era um ser humano, mas ele era sim um rei. Vida longa ao Rei.

“Materia extraída do blog de minha amiga” “Luciene Saints River “
http://jacadepantufas.blogspot.com/2010/08/o-discurso-de-madonna-no-vma-setembro.html

Sobre PoemforMJ

Michael ... "Quando olho no dentro dos seus olhos eu sei que é verdade.Deus deve ter gasto um pouco mais de tempo em você!"
Esse post foi publicado em 25/06/09, fatos, HOMENAGENS e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s