Entrevista com Tom Mesereau (1º de maio de 2011)

Tom Mesereau não tinha certeza se queria ser um advogado, na verdade, sua primeira escolha profissional foi o jornalismo. Mas depois de tomar o conselho de seu pai, Tom gradou-se pela Universidade de Harvard (cum laude), com especialização em Relações Internacionais, recebeu um Mestrado em Ciências pela The London School of Economics e se formou na The University of California’s Hastings College of Law.
Ele primeiro ganhou a atenção nacional em audiência preliminar no caso de assassinato de Robert Blake,  que foi amplamente televisionada, e tornou-se conhecido internacionalmente pela absolvição de Michael Jackson em um caso visto por muitos como impossível de vencer.
Em apenas um ano, Tom Mesereau obteve sete absolvições e dois júris pendurados.  Agora ele é considerado como um dos melhores advogados de julgamento no país e destinatário de muitos prêmios e honrarias de serviço público.
Mas há um outro lado de Tom que ele vê como, talvez, sua maior realização em uma carreira longa e distinta, e que é seu trabalho humanitário e de caridade.
Além de seu trabalho pro bono (profissional voluntário), Tom opera uma clínica jurídica gratuita no centro-sul de Los Angeles, chamado ” Mesereau Free Legal Clinic” e doa seu tempo a essas organizações em cidades do interior como a “N-Action Family Network”, “Save Our Sons”, “Women of Watts” e “Families to Amend California Three Strikes”.
Transcrito por Owens Valmai
Valmai:Tom, você está acompanhando o julgamento de Murray nesta fase de preparação?
Tom:Bem, eu venho acompanhando isso na mídia, mas eu não estou envolvido.
Valmai:Você é capaz de dar uma opinião profissional a todos sobre as táticas de defesa?
Tom: Eu estou esperando que ele seja condenado, e eu admito que não sou objetivo. Minha opinião é que ele agiu muito mal, ele nunca deveria ter administrado propofol e, certamente, não permitir que seja em casa. Isso é ridículo!
Eu não sabia até a audiência preliminar que havia indícios de que ele teria tentado limpar a cena do crime. Eu não sabia que não havia provas de que ele supostamente não contou aos paramédicos e a polícia sobre o propofol, pelo menos inicialmente. Fiquei muito surpreso em ouvir isso.
Mas você sabe, eu tenho acompanhado muitos casos de celebridades  também … Elvis Presley, Anna Nicole Smith, e você encontra estes médicos que se tornam facilitadores. Eles estão com medo de negar à celebridade o que elas querem por medo de serem excluídos, e eu acho que é algo que a aplicação da lei deve levar muito a sério.
Valmai: Bem, como se sente sobre a estratégia da defesa ao dizer que Michael se matou?
Tom: Eu acho que é ridículo! Eu já estive na televisão dizendo que é um absurdo. O Michael Jackson que eu conheci não era suicida. O Michael Jackson que eu conheci tinha problemas, você sabe que eu o conheci durante um período muito difícil, sua ansiedade, sua insônia, sua depressão estava muito aguda, você sabe, como ele estava sendo julgado por sua vida, por coisas que ele nunca fez. Qualquer pessoa nessa posição teria provavelmente precisado de alguma medicação para dormir e alguns anti-depressivos, e eu não sei o que ele estava usando, porque eu nunca o vi usar nada. No entanto, eu o conheci durante um período muito difícil, um período muito estressante, mas o Michael Jackson que eu conheci não era suicida e nunca quis deixar os seus filhos. Então eu acho que é um absurdo!
Valmai: Sim, acho que todos concordamos com isso, mas eu acho que é seguro dizer que o que podemos esperar da defesa é o retrato de Michael como suicida.
Tom: Bem, sim, os advogados de defesa tem uma obrigação ética e profissional  para defender com vigor seu cliente. De um ponto de vista estritamente profissional, os advogados parecem estar agindo de forma profissional compatíveis com as suas obrigações. No entanto, não concordo com o que estão fazendo e acho que seu cliente é culpado.
Valmai: Outro ponto em que concordamos. Tom, você já teve alguma experiência com o juiz Pastor? Não tem uma opinião sobre ele?
Tom: Sim, eu tenho. Ele é um  juiz muito, muito esperto, muito experiente, muito inteligente, muito sábio e eu acho que ele vai ser um juiz muito bom.
Valmai: Bem, eu sou um leiga, não estou familiarizada com o sistema judicial ou com lei. Muitos dos fãs não são. Você pode me dizer quanta liberdade um juiz realmente tem em suas decisões sobre intimações,  quem testemunha e o quanto expandido ou restrito o questionamento pode ser?
Tom: Bem, os juízes têm margem de manobra considerável para dirigir o curso do julgamento. Eles tem um tremendo poder de fazer o que eles acham que é necessário para manter o julgamento regular, para mantê-lo em condições dignas e dependendo de quem é o juiz, pode ter um efeito enorme sobre o que acontece.
Valmai: A defesa pediu que os registros financeiros de Michael fossem disponibilizados. Você acha que eles estavam cientes de que o juiz pode negar essa moção e é por isso que eles estão chamando Dr. Tohme como testemunha?
Tom: Eu não sei se eles estavam cientes de que o juiz pode negar. Eu acho que eles estão em uma expedição de pesca, acho que eles estão desesperados para tentar encontrar algum tipo de teoria de defesa que poderia parecer plausível. Estou muito feliz, pois o juiz negou o pedido de exercício de uma expedição de pesca nas finanças de Michael. Eu acho que as finanças de Michael não tem absolutamente nada a ver com o que Conrad Murray supostamente fez.
Valmai: Não, não. Eu concordo com isso, mas eu acho que eles estão tentando provar é que as finanças de Michael estavam em tal estado de desordem, estava numa dívida tão grande e tão estressado, é por isso que ele supostamente se matou.
Tom: Isso é um absurdo! Isso só mostra como eles estão desesperados para chegar a algum tipo de defesa.
Valmai: Você acha que Murray será chamado para depor?
Tom: Eu não sei a resposta para isso. Eu acho que só vai depender de como o processo evolui e como a defesa acredita no que eles estão fazendo. Ensaios sempre tem surpresas. Não importa o quão preparado você estiver, sempre sabe que certas testemunhas vão vir com coisas que ninguém esperava que fossem dizer ou fazer. Eu não acho que eles vão tomar essa decisão até o fim.
Valmai: Tom, quais são seus sentimentos sobre o advogado contratado pela defesa que foi perifericamente envolvido no julgamento de Michael em 2005? Você vê isso como um conflito de interesses?
Tom: Bem, eu não sei a que ele teve acesso, eu realmente não sei. O juiz aparentemente fez uma investigação completa sobre o assunto e concluiu que não houve conflito de interesse potencial ou real. Então eu tenho que assumir em suas discussões confidenciais com o advogado, que ele concluiu que o advogado não tinha nenhuma informação que pudesse gerar um conflito. Mas eu realmente não sei o que este advogado teve acesso, eu realmente não sei.
Valmai: O que você acha sobre a decisão para televisionar o julgamento? Você o vê tornando-se o  mesmo circo da mídia como foi em 2005?
Tom: Bem, eles não televisionaram o julgamento de 2005. Eu acho que haverá grande interesse da mídia no caso, principalmente porque é televisionado. Vai dar ao público a oportunidade de realmente olhar para estas testemunhas e ver como eles se comportam, e realmente olhar para a evidência  que a promotoria acha que deveria resultar em condenação. Então eu acho que haverá um enorme interesse em todo o mundo. Michael era a celebridade mais conhecida do planeta e muito querido em todo o mundo, em todos os continentes.
Valmai: Eu acho que muita gente está preocupada com a maneira como a mídia retratou Michael, especialmente em 2005, e se vão fazer o mesmo desta vez. Eu sei que em 2005, o julgamento não foi televisionado, mas a mídia não era exatamente imparcial na forma como relataram sobre ele. Isso é
fato, alguns foram bastante cruéis.
Tom: Bem, os meios de comunicação não estão interessados em justiça ou equidade, estão interessados  em negócio, e negócio para eles é  receita e classificações. Eles amam o valor de choque, eles adoram polêmica e você tem que olhar para a mídia com isso em mente. Para eles isso é entretenimento. Não é uma busca de justiça, não é uma busca pela justiça. Em sua mente é estritamente entretenimento, então eles vão focar o que eles acham que diverte, e isso torna-se rentável.
Você tem que ser muito cauteloso com os relatórios que você ouve sobre os julgamentos, quando estes relatórios vem através da mídia. Pelo menos neste caso, as pessoas serão capazes de vê-lo, ao invés de ouvir no final do dia muito rasos, breves resumos dos meios de comunicação.
Grande parte da informação no âmbito do julgamento de Michael Jackson em 2005 foi terrível. Eles simplesmente não eram precisos. Eles estavam apenas tentando relatar o que foi sensacional e chocante. Às vezes relatam o que uma testemunha disse sob depoimento, sem nem ao menos esperar para ouvir o interrogatório da defesa. Então eu acho que eles apresentaram um ilegítimo, um muito embaraçoso e pobre retrato do que estava acontecendo na sala do tribunal.
Valmai: Você vai ficar disponível para os meios de comunicação se pedirem a sua opinião sobre o processo?
Tom: Isso depende de quem eles são, que tomada é e se eu acho que vai ser um tipo de   situação profissional. Estou disponível para isso.
Valmai: Tom, como você vê este julgamento final?
Tom: Bem, eu não tenho como saber, não estou envolvido no caso e eu não vi a prova. Estou esperando que ele termina com uma condenação. Estou esperando que ele seja responsabilizado por aquilo que eu acho, na minha opinião, foi uma maneira muito pouco profissional, muito egoísta e muito insensata no tratamento de seu paciente.
Valmai: Você passou muitas horas com Michael durante aquele que foi um dos períodos mais traumáticos da sua vida. O que você lembra sobre sua força pessoal e compostura?
Tom: Michael foi uma das pessoas mais bonitas, mais amáveis que eu já conheci e minha parceira no escritório (de advogados), Susan Yu, se sente exatamente como eu. Ele era bom. Ele era gentil. Ele era bem-intencionado. Ele gostava de ver as pessoas fazerem bem e ele gostava de usar sua reputação e recursos para ajudar as pessoas com deficiência, as crianças da cidade do interior que cresceram na pobreza e violência. Ele gostava de ver as pessoas felizes. Ele poderia ter tomado sua riqueza e prestígio e não tratar das crianças, não tratar de causas nobres. Ele poderia ter sido puramente egoísta se quisesse, mas não era isso o que ele escolheu para fazer. Ele realmente queria fazer a diferença. Ele queria reunir pessoas de todas as raças, todas as religiões e todas as nacionalidades juntas. Você pode ver isso em sua música, você pode ver isso na maneira como ele viveu. Ele tinha uma grande empatia com os animais, porque ele era uma pessoa amável e ele queria fazer a diferença.
Ele foi um pouco ingênuo quando vieram forças do mal circulando ao seu redor e tentando destruí-lo. Ele não acreditava que ia acontecer e, infelizmente, eles o colocaram em um pesadelo.
Valmai: Você quis permanecer em contato com Michael após o julgamento?
Tom: De vez em quando por cerca de nove meses depois que ele se mudou para o Bahrain. Susan Yu e eu estavámos ajudando ele, mas ele estava conversando com Susan muito mais do que comigo. Ajudamos por cerca de nove meses com a transição e depois passamos para outras coisas.
Valmai: Como você acha que sua vida tem sido afetada por Michael? O que você mais lembra dele?
Tom: Bem, como eu disse antes, o que mais me lembro é uma pessoa muito, muito gentil, sensível, decente. Um de seus grandes dons era fazer uma diferença positiva no mundo. Ele poderia ter sido mais egoísta. Ele poderia simplesmente ter alugado uma casa na Riviera e partido, se ele quisesse. Ele poderia ter sido puramente egocêntrico, mas isso não era do jeito que ele queria viver. Ele sentiu que Deus havia lhe dado presentes maravilhosos e sucesso maravilhoso, e esperava mudar o mundo de uma forma positiva. Eu acredito que ele fez.
Valmai: Bem, eu concordo certamente com isso. Tom, o MJTP e todos os fãs só querem lhe agradecer por acreditar em Michael, e por todo o maravilhoso trabalho humanitário que você faz. Nós amamos e respeitamos muito, e agradeço-lhe por tomar tempo para fazer essa entrevista comigo.
Tom: Bem, muito obrigado. Sinto-me honrado e privilegiado por falar com você sobre tudo isso e eu desejo a todos o melhor. Ele era uma pessoa muito especial, e eu sempre tenho dito repetidamente que ele era uma das pessoas mais bonitas, mais amáveis que eu já conheci. Eu sempre digo isso porque é verdade.

Traduzido e editado por Tay

Fonte: MJTP Magazine

Essa foi simplesmente uma das melhores entrevista que já li…
Lamentavelmente, a grande mídia quase não reserva espaço ao que é positivo e, principalmente, ao que é verdadeiro sobre Michael Jackson.

Do Blog Scream http://tayscream.blogspot.com/2011/05/entrevista-com-tom-mesereau-1-de-maio.html

Sobre PoemforMJ

Michael ... "Quando olho no dentro dos seus olhos eu sei que é verdade.Deus deve ter gasto um pouco mais de tempo em você!"
Esse post foi publicado em Aparições e entrevistas, Textos e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Entrevista com Tom Mesereau (1º de maio de 2011)

  1. Tuany disse:

    Eu gostei muito dessa entrevista! Mto legal e acima de tudo verdadeira. ESSE é o verdadeiro MJ, não o q a porcaria da imprensa publica. E o q da mais raiva é q continuam publicando mentiras e fazendo sensacionalismo em cima dele e do q aconteceu com ele. RIDICULO!!!
    Ele era a melhor pessoa que pisou na Terra sem duvida. Pureza e humanidade igual a dele não existem. Faltam SERES HUMANOS na Terra…

  2. Aline disse:

    Simplesmente maravilhoso!!! Ler uma entrevista assim me faz sentir uma paz de espírito, uma sensação muito boa, é como se eu sentisse o sentimento de Michael. Pra mim, Michael é um exemplo, porque eu também acredito que ele era bom, humilde e só queria fazer o bem, mas como isso não dá ibope ele precisou ser sacrificado para ser ainda mais rentável para a mídia…

    É uma grande perda. A que eu mais senti até hoje…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s