A Saudade Em Mim

Saudade, essa palavra que só existem em português, desde muito cedo é um vocábulo que faz parte de meu contexto.
Eu era ainda criança quando deixei minha pequena cidade natal e vim morar em São Paulo. Desde então, esse sentimento de nostalgia me persegue.
Voltei algumas vezes à minha terrinha, mas nunca mais foi a mesma coisa.
O colégio agora parecia tão pequeno. Onde é mesmo que eu brincava de “A corrente pega gente, quem tem medo sai da frente…”?  E a professora já não se importava mais tanto com a sua “melhor aluna”, parecia mesmo que nem se lembrava mais de mim…
Mas o pior foi ver a bela casa com pomar e jardim onde eu passei meus primeiros e inesquecíveis anos de vida,  tão diferente, pintura descascada, plantas mal cuidadas, tão triste e tão feia e tão sem vida… Onde estavam os cajus e abacates, os pássaros canoros e até os mandruvás e bichos-papões que tanto me apavoravam? Foi um golpe forte ver assim a casa que um dia fora nossa. Lembro muitas vezes de Carlos Drumond de Andrade, em seu texto “Vende a casa”, onde ele se refere às fibras, mais fortes  que laços que o prendiam à casa que ele estava vendendo com o coração apertado.Tantas memórias, tanta vida ali vivida. Pensei sinceramente em comprar aquela casa e trazê-la de novo à vida. Foi só um sonho de criança.

E foi assim, cresci em meio à saudade da terra natal, da infância lá deixada, dos parentes e amigos, das mangueiras e do poeirão vermelho, do cheiro de chuva na terra, dos vagalumes nas noites de lua, dos desenhos lidos nas estrelas e nas nuvens. Bons tempos que não mais voltam, da infância tão bem conduzida pelos meus pais.
Depois, vim a conhecer uma saudade muito mais amarga: da falta de um ente querido. E foi essa São Paulo, a metrópole que me acolheu e que eu aprendi a amar, a mesma que já me havia tirado Presidente Epitácio, que agora me leva também minha única irmã e anos depois, meu pai.
A dor de perder  alguém amado é indescritível e porisso eu não tenho como escrever aqui, nem quero reviver tal dor. Mas é natural que sintamos tanta falta de pessoas tão especiais e que conviveram anos conosco, nos fizeram de certa forma, ser o que somos.É uma saudade que cala fundo, uma ferida que o tempo cicatriza e que se ameniza com a certeza que temos de que essas pessoas queridas ainda estão cá em nosso coração, muito do que foram vivem em nós. É assim que eu me sinto em relação ao meu pai e à minha irmãzinha.

Mas como explicar essa saudade de alguém que não conheci? Como posso amar tanto alguém que sequer vi, nunca apertei sua mão, não lhe abracei, nem rocei sua face com um leve beijo? Não sei o seu cheiro nem a textura de sua pele… ? Como posso me identificar tão fortemente com alguém com quem nunca convivi?
Mais estranho ainda é quando esse alguém em questão é, nada mais  nada menos do que o maior artista que já houve?

Foi então que parti em busca de resposta. E, como nos tempos em que viajava pra minha pequena Epitácio procurando a infância perdida, fui à Terra do Nunca, em busca do meu Peter Pan. Desnecessário dizer da dor que sinto e da falta imensa que tenho dele…. É isso mesmo, por mais paradoxo que pareça ser, eu tenho falta dele, como se a falta fosse algo que se possui e que pudesse preencher esse vazio.

Claro que, como a minha infância tão bem vivida me deixaram marcas indeléveis, meu amado Michael Jackson também deixou um legado que é um verdadeiro tesouro. Tenho não só músicas e danças e desenhos – sim, ele também era um excelente desenhista – , mas um exemplo humanitário a ser seguido e que me dá uma causa a mais na vida. Isso me faz mais plena, assim como as lembranças dos meus tempos de menina, tão moleca que eu era!

E lá na Terra do Nunca, estive o mais perto dele que eu pude, na tentativa de juntar partes de um enredado quebra-cabeça. Ver o lugar que ele construiu para ser mais feliz, também na ânsia de resgatar uma infância que, ao contrário de mim, sequer teve, sua Neverland hoje tão desolada quanto a casa onde eu vivi quando menina, ver a escolinha de ensino elementar onde ele estudou, a cidade onde escolheu viver por toda a breve vida, ir na mesma  que ele ia, percorrer os caminhos quotidianos que fazia, tudo isso foi como tentar comprar a casa da minha infância.

Nem todas as partes do quebra-cabeça me trouxeram mais o todo, pois a porcelana uma vez quebrada, não se emenda mais com perfeição. Mas esses caquinhos de Michael Jackson me trouxeram a clareza de que o amor está aqui dentro de mim, mais forte do que nunca e que, mesmo não tendo explicação, ainda que nem a razão nem a ciência deem conta, mas devo tê-lo conhecido sim, meu amado,  porque saudade como essa que eu tenho, de tão grande e tão profunda e tão sentida, não é possível que seja de um desconhecido.

Já falei isso antes, em algum lugar, Michael, a gente deve ter se encontrado!

________________________________________________

Texto registrado no Recanto das Letras
Enviado por Irleide de Souza em 03/02/2012
Código do texto: T3478943
Outros textos de Irleide

Sobre PoemforMJ

Michael ... "Quando olho no dentro dos seus olhos eu sei que é verdade.Deus deve ter gasto um pouco mais de tempo em você!"
Esse post foi publicado em ´Histórias de fãs, Textos dos que amam Michael e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para A Saudade Em Mim

  1. elyria candello disse:

    achei lindo o texto mas diga me uma coisa essa foto tirada embaixo da arvore é Neverland? se positivo como voce conseguiu ? Obrigada

  2. To chrando aki… O Mike realmente vai fazer mta falta. Mas ele vai estar sempre vivo nos corações dos fãs que nunca deixarão de ama-lo e respeitá-lo. Michael Jackson nos te amamos! Só q eu Billie Jackson sua fã de carteirinha te amo mais q todos os seus fãs do mundo todo juntos!kkkkkkkkkkkkkk…

  3. Michael estão dizendo por ai q vc ta vivo então se vc ta realmente vivo volta pra gente isso machuca d+ estou sentindo falta do seu brilho do seu carisma e da sua voz maravilhosa nos que somos seus fãs estamos muito tristes não falo so por mim mas pelo mundo todo I LOVE YOU MHCHAEL JACKSON YOU’RE ALWAYS IN MY HEART… *.*

    • Rita disse:

      Ah Billie não sou Belive mas não desprezo quem é não há diferenças para mim apenas não consigo ter esta esperança que se esvaiu de mim logo nos primeiros dias , enfim a saudade dele é viva como sangue , viva como o ar que respiramos , e viva como a dor esta saudade dói demais .

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s