Conspiração Michael Jackson by Afrodite Jones cap -32

LEAVE ME ALONE

“ME DEIXE EM PAZ”

Quando Michael chegou ao tribunal, no dia repleto de estrelas em que o comediante Jay Leno e o ator Chris Tucker testemunharam, ele estava acompanhado por seus pais, Katherine e Joe.
Katherine parecia confiante, mas Joe demonstrava preocupação, talvez imaginando como o júri reagiria ao ver mais estrelas de TV e do cinema. As pessoas foram distraídas por George Lopez e Macaulay Culkin, e havia expectativa de que Elizabeth Taylor e Stevie Wonder pudessem aparecer para depor.
Os observadores do tribunal não podiam deixar de olhar pra Michael Jackson e sua família, mas, com tantas celebridades aparecendo, era da natureza humana se distrair, se fixar na roupa de tal artista, nos seus gestos, na sua pessoa “real”. Pelo olhar de Joe, podia-se notar uma ansiedade, uma preocupação de que as estrelas pudessem brilhar mais do que o testemunho, e Joe Jackson não queria isso.
Das 60 testemunhas que a defesa chamou pra depor, a mais convincente foi o ator de A Hora do Rush, Chris Tucker, que testemunhou que Michael Jackson era seu amigo, que havia o conhecido através de seus esforços pra ajudar Gavin Arvizo. Chris Tucker disse aos jurados que conheceu o menino Arvizo no Laugh Factory, o famoso clube de comédia na Sunset Strip. O comediante lembrou que David Arvizo se aproximou dele para dizer que seu filho, Gavin, simplesmente o amava. Foi David Arvizo quem contou à Tucker que o Laugh Factory estava ajudando Gavin e que o menino estava morrendo de câncer.
“Ok. Então, o pai te contou que seria realizado um evento beneficente para arrecadar dinheiro para as contas médicas de Gavin?”, Mesereau perguntou.
“Sim.”, respondeu Tucker.
“Ok. E você participou desse evento, correto?”
“Sim.”
“Quem mais você viu lá, você se lembra?”
“Eu conheci um monte de crianças, e conheci o irmão dele, Star. E estava um pouco escuro no clube, mas, pelo que me lembro, foi lá que conheci Star. Acho que foi Star e seu pai, e foi isso.”
“E você se lembra de ter contribuído com dinheiro nessa ocasião?”
“Não, não nessa noite. Mas eu contribuí com algum dinheiro, sim.”, testemunhou Tucker.
“E nos explique isso, se possível.”
“Me perguntaram, alguns dias depois desse evento, se eu podia dar algum dinheiro, porque eles não conseguiram levar muita grana, não tinham feito nenhum dinheiro.”, Tucker explicou, “Então, eu dei. Doei algum dinheiro para a fundação deles.”
“Quem te contou que não tinham conseguido levantar dinheiro nenhum no evento?”
“Gavin me contou.”

Quando Chris Tucker disse aos jurados que ele tinha doado uma quantia de 1.500 dólares para os Arvizos após Gavin dizer aquilo, após Gavin reclamar que não o evento beneficente não levantara uma quantia boa – as pessoas ficaram perplexas. Eles já tinham ouvido diversas testemunhas afirmarem que os Arvizos lhe pediam dinheiro. Alguns, tinham feito cheques de milhares de dólares para a família Arvizo. Outros, levavam brinquedos e presentes de Natal para eles.
Tanta doação tinha sido feita por celebridades de Los Angeles, os Arvizos tinham recebido tanto dinheiro que, em certo momento, Janet saiu e comprou um Ford de 23 mil dólares. A defesa apresentou o próprio cheque de Janet como evidência, mostrando aos jurados o que a mãe Arvizo estava tentando fazer com o dinheiro. Em relação ao carro: Janet perdeu a coragem e desistiu do negócio. Mas ela depositou aqueles mesmos 23 mil dólares ao mesmo tempo em que recebia cheques da Previdência Social e em que procurava outras formas de assistência.
O júri ouviu de um editor de jornal que foi pedido para colocar um anúncio gratuito num jornal pra pedir doações em nome de Gavin – apenas para descobrir depois que as contas médicas de Gavin Arvizo eram inteiramente pagas pelo seguro médico de seu pai. Uma mulher, que doou uma quantia em dinheiro pra os Arvizos, testemunhou que levou um grande peru para o dia de Ação de Graças, mas que foi mandada embora por Janet, que lhe respondeu que eles preferiam dinheiro. Parecia que qualquer pequena coisa que as pessoas faziam não era o suficiente para os Arvizos.
Chris Tucker declarou que “esperava” que o dinheiro doado aos Arvizos fosse para pagar contas médicas – mas seu tom de voz parecia dizer o contrário. Ele descreveu o dia em que levou a família Arvizo ao Knott’s Berry Farm * [um parque temático da Califórnia. N.T.], onde eles desfrutaram de um momento de diversão gratuita, com brincadeiras, refeições e todos os doces que quisessem comer. O ator tentou minimizar sua natureza boa, mencionando que tinha levado as crianças Arvizo ao shopping algumas vezes, para comprar material esportivo, mas sem entrar em detalhes. Mas Mesereau não deixou o assunto sumir.
“Ok. Você disse que comprou roupas para as crianças Arvizos num shopping, está correto?”, questionou Mesereau.
“Sim.”, Tucker respondeu.
“E, se possível, explique o que você fez.”
“Nós fomos a uma… Uma loja de artigos esportivos. Eles gostavam dos Raiders * [um time de futebol americano. N.T.], e eu comprei algumas coisas dos Raiders. Sapatos e bonés… Coisas assim.”
“E quem estava com vocês quando compraram essas roupas?”
“O pai, David.”
“Você alguma vez se encontrou com a mãe?”
“Eu a conheci… A primeira vez foi em Las Vegas.”

Chris Tucker explicou as circunstâncias em que se encontrou com Janet Arvizo, dizendo ao júri que estava filmando um novo filme em 2001, que não tinha muito tempo para conversar com os Arvizos, que tinham feito uma viagem pra lá e foram convidados pelo ator para visitarem o set de filmagem.
“Eles foram para o set de filmagem, correto?”, Mesereau perguntou.
“Sim.”, Tucker testemunhou.
“Você se encontrou com eles lá?”
“Sim.”
“Do seu conhecimento, eles ficaram muito tempo?”
“Do meu conhecimento, eu ouvi que eles tinham ficado por algum tempo e foram… Eles estavam tentando os fazer irem embora, mas eu não sabia, já que estava bem ocupado. Eles ficaram duas… Uma ou duas semanas.”
“Vocês os viu novamente em Las Vegas naquela viagem?”, Mesereau quis saber.
“Sim. Eu os vi vindo e indo várias vezes.”, Tucker declarou, “Definitivamente, eu vi as crianças, porque elas viam ao estúdio. Acho que a mãe foi com elas algumas vezes também, e o pai. Então, com certeza eu os v, mas eu estava bastante ocupado.”
Chris Tucker disse ao júri que foi “amigável” com os Arvizos e que, quando voltou pra sua casa em Los Angeles, poucos meses após ter gravado o filme, Gavin o ligou, à procura de Michael Jackson. O garoto esperava visitar Jackson em Neverland, mas o cantor não pôde ser localizado no momento. Chris Tucker contou que recebeu inúmeras ligações de Janet, que chorava e chorava sobre a saúde do filho. Janet Arvizo estava tão perturbada, dizendo que sentia que Chris era como um “irmão” pra eles. De certa forma, Tucker se sentiu obrigado a ajudar todo o clã Arvizo.

A partir do momento em que se conheceram, Gavin pediu o número do telefone de Chris Tucker. Tucker disse que deu seu número porque queria estar acessível. Ele queria fazer tudo o que pudesse, queria ajudar o menino. O ator testemunhou que havia recebido inúmeras ligações dos Arvizos, principalmente de Gavin e sua mãe. O comediante tentou dar o seu melhor pra manter a amizade com a família, fazendo pequenas coisas, como comprar tênis da Nike e jogar basquete com eles, mas também queria manter certa distância.
Ao longo do tempo, a estrela de A Hora do Rush convidou os Arvizos para sua residência em Los Angeles. Eles foram pra lá em pelo menos três ocasiões. Enquanto visitava a casa, Gavin pediu dinheiro à Chris Tucker. Aparentemente, o menino fazia uma cara de cachorrinho sem dono, e Tucker concordou em depositar um dinheiro na conta da família.
Em algum momento, as crianças Arvizo começaram a ligar para pedir as chaves de um dos carros, um utilitário esportivo [SUV] que Tucker não usava muito, e Chris ofereceu a eles o carro, mas depois ficou “nervoso” sobre isso, especialmente quando as crianças continuaram a ligar, atormentando a namorada de Chris com os pedidos da chave.
Tucker disse ao júri que ele começou a suspeitar sobre a quantidade daqueles telefonemas.

Quando mais tarde descobriu que Michael Jackson já havia emprestado um carro para família, ele falou à sua namorada para não emprestar mais as chaves do automóvel. O Sr. Tucker disse que ele não entregou mais as chaves da caminhonete para os Arvizos porque achava que estava “fazendo demais” por aquela família.
E era verdade.
Os Arvizos tinham muitas vantagens às custas de Chris Tucker. O ator tinha feito diversas visitas em Neverland, mesmo nos dias em que Michael não estava presente. Entre outras coisas, Chris Tucker tinha voado com as crianças Arvizos e com o pai delas, num jato particular para assistir a um jogo dos Raiders na área da Baía de São Francisco.
“Eles fizeram mais alguma coisa que te fez suspeitar?”, Mesereau perguntou.
“Bem, acho que eles fizeram um monte de coisas que eu não vi, que fez o meu pessoal dizer pra eu tomar cuidado.”, Tucker o respondeu.
“E quem era o seu pessoal?”
“Meu irmão, alguns dos meus assistentes que estavam no estúdio comigo… Eles estavam vendo tudo, sabe? O comportamento de Gavin, o comportamento de Star… E eles estavam me avisando. Mas eu estava trabalhando. Eles ficavam me dizendo, sabe, que já era hora de eles irem embora.”
“As suas suspeitas eram baseadas no que você observava ou no que outras pessoas lhe diziam?”
“Eu notava um monte de coisas, mas sempre dei a eles o benefício da dúvida. Eu sentia pena do Gavin, e sempre tentei ajudá-lo, e simplesmente deixei algumas coisas passarem… Mas eu sabia do que eles [seu pessoal] estavam falando.”

Chris Tucker contou ao júri que tomou conhecimento, no set em Las Vegas, que a família Arvizo estava tentando melhorar suas acomodações, que eles queriam que os produtores os levassem para o hotel do ator. Os Arvizos queriam ficar num quarto igual ao de Chris Tucker, que a estrela de cinema estava pagando de seu próprio bolso.
“Você acha que eles estavam tentando tirar vantagem de você?”, Mesereau perguntou.
“Eu esperava que eles não estivessem, mas quando isso chegou a mim, sim. Era o que parecia.”, disse Tucker.
“Algum membro da família Arvizo já se referiu a você como parte da família?”
“Sim.”
“Quem?”
“A mãe, Gavin e Star.”
“E qual foi a sua reação ao escutar isso?”
“Eu fiquei… Você sabe… Fiquei um pouco nervoso, porque toda a minha coisa era apenas ajudar o garoto, não me apegar a toda a família. Não desse jeito.”, declarou Tucker, “Eu só queria deixar a vida dele um pouco mais fácil, então, eu disse… Você sabe… Eu precisava prestar atenção porque eu sou conhecido…” ele continuou, “Você sabe, eu tenho que ter cuidado, porque, às vezes, quando as pessoas vêem o que você tem, elas tentam tirar vantagem de você. Então, tentei ser cuidadoso e recuar um pouco.”

Chris Tucker disse aos jurados que Gavin sempre se referia a ele como seu “grande irmão” e lhe falava “Eu te amo” constantemente. Star Arvizo também dizia que o ator era “como um irmão”. Todas as três crianças diziam com todo o coração o quanto amavam Chris Tucker.
Não foi surpresa o fato de que, quando o documentário de Bashir foi ao ar na Inglaterra, quando a mídia começou a procurar a família em sua casa em East Los Angeles, Tucker era a pessoa para quem os Arvizos ligaram, queixando-se de todo aquele alvoroço. Eles queriam que Chris localizasse Michael. Eles queriam ficar longe da imprensa. Queriam que Chris Tucker os ajudasse.
“A mídia os seguia, e eles queriam encontrar o Michael. Eles queriam sair da cidade e encontrar o Michael”, Tucker declarou, “E eu disse, „OK.‟ Eu tentei ajudá-los a sair da cidade pra que eles pudessem, você sabe, ficar em paz.”
“E Gavin te disse que eles queriam ficar com Michael?”, Mesereau questionou.
“Sim, ele estava procurando o Michael, e eles queriam encontrá-lo. Eles descobriram de algum jeito que ele estava em Miami, e quiseram ir pra Miami.”

Tom Mesereau colocou os registros telefônicos na tela, mostrando aos jurados as ligações dos Arvizos para Chris Tucker em 4 de fevereiro de 2003. O advogado pediu à Tucker para esclarecer que eram ligações dos Arvizos para ele – e não o contrário.
Chris Tucker tinha certeza de que o número do telefone e os horários batiam com suas lembranças, e disse aos jurados que se ofereceu para tirar os Arvizos da cidade, que se ofereceu para fretar um avião para levar a família à Miami.
Quando essa informação chegou ao júri, as cabeças começaram a girar.
As pessoas simplesmente não conseguiam acreditar no que estavam ouvindo.
Durante meses, os promotores argumentaram que os Arvizos foram praticamente forçados a ir à Miami para encontrar Jackson. No banco das testemunhas, todos os Arvizos agiram como se tivessem sido coagidos a fazer um grande favor à Jackson, coagidos a entrarem num avião com Chris Tucker para essa viagem à Miami e ficar no resort, às custas de Michael.
“Você perguntou à Gavin como ele soube que Michael Jackson estava na Flórida?”, perguntou Mesereau.
“Não me lembro. Tenho certeza de que perguntei, e acho que ele estava ligando pro pessoal do Michael e acabou descobrindo, de algum jeito.” Tucker respondeu.
“Então, nesse momento, considerando as conversas que teve com Gavin, seus pedidos de dinheiro, suas conversas sobre automóveis, as coisas que você viu no set, você considera que Gavin era um garoto muito sofisticado para alguém de sua idade?”
“Sim.”
“E explique o que quer dizer com isso.”
“Ele era muito esperto, e foi meio malandro às vezes, mas eu sempre deixei isso passar porque sentia pena dele. Eu sabia que ele era um garotinho, mas sabia também que ele era malandro. E seu irmão Star, definitivamente era malandro.”
“Quando você fala „malandro‟, o que quer dizer?”
“Sempre coisas como, “Chris, me dê isso. Me deixe beber isso. Me dê aquilo. Vamos lá, eu não to me sentindo muito bem”. Coisas assim. E eu sabia que ele estava indo longe demais, mas eu sempre me disse: “Ele está doente!”. Sabe? “Ele já tem um monte de problemas, problemas familiares”, então, eu simplesmente deixava tudo isso passar.
Chris Tucker disse ao júri que, na noite em que fretou o avião para levar Janet Arvizo e seus filhos à Miami, a família parecia “aliviada por sair da Califórnia”, e estavam todos animados pra fazer a viagem e ver Jackson. No vôo, Janet convenceu Chris a emprestar seu carro, e Tucker concordou em lhe dar as chaves uma vez que eles chegassem à Miami.
Tucker lembrou que logo após o avião decolar, antes de as crianças dormirem, Gavin estava feliz, absolutamente entusiasmado por estar indo ver Michael Jackson novamente.

Era 5 de fevereiro de 2003, poucos dias depois da exibição do documentário de Bashir na Inglaterra, quando nenhum dos Arvizos sabia realmente o que havia sido alegado na obra do jornalista.
“Alguém da família Arvizo lhe deu a impressão de que eles estavam indo para Miami contra a sua vontade?”, Mesereau perguntou.
“Não.”, Tucker respondeu.
“Ok. Quando vocês chegaram à Flórida, o que fizeram?”
“Eu me encontrei com meu irmão no aeroporto e nós fomos direto pro hotel.”
Tucker falou que seu irmão estava esperando por eles no carro e declarou que, ao invés de irem para o quarto, as crianças Arvizos insistiram em ver Michael, e, então, eles subiram pro último andar pra apenas dizer um „oi‟.
“Você se lembra de ter dito alguma coisa pro Michael no quarto dele?”
“Só disse olá e que estava feliz por vê-lo.”
“E você discutiu sobre os Arvizos com ele?”
“Sim.”
“O que você disse?”
“Eu fiz isso depois. Eu só disse a ele pra desconfiar de Janet, porque eu tinha algumas suspeitas sobre ela.”
“E você contou à Michael Jackson por que suspeitava de Janet Arvizo?”, Mesereau queria saber.
“Sim, porque… – E ela ainda me deu mais suspeitas depois. Mas, primeiro, como eu falei, entreguei as chaves [do carro] à ela, e nesse momento, eu soube que algo não estava certo. E, então, eu tentava falar com Michael e ela sempre interrompia. E eu fiquei tipo… Eu não sabia por quê ela estava fazendo isso.”, Tucker testemunhou, “E então eu… Eu tentei tirar o Michael do quarto e falei: „Você precisa tomar cuidado. Apenas fique atento‟. Então, foi algo bem rápido, e eu saí.”
“Por que essa conversa foi rápida?”
“Porque os telefones estavam tocando, tinham crianças por todo o lugar, e… Você sabe, o Michael é muito ocupado. Por isso, tem sempre alguém puxando ele.”
“Você se lembra se Michael respondeu ou não quando você disse: “Tenha cuidado com essas pessoas”?
“Sim, ele respondeu. Ele estava ouvindo. E nós conversamos sobre outras coisas, e então eu saí.”
“Você se lembra de Janet ter dito algo sobre Michael Jackson ser como um pai para a família dela?”, questionou Mesereau.
“Oh, sim, sim! Isso foi logo antes de nós irmos ao quarto dele.”, Tucker disse ao júri. “Ela ficava freneticamente dizendo que Michael era o pai, que eu era o irmão… E foi isso o que eu disse ao Michael. O tirei do quarto, e tentei falar com ele, e eu falei. “Algo não ta certo‟. Eu disse: “Mike, algo não está certo”.

Sobre PoemforMJ

Michael ... "Quando olho no dentro dos seus olhos eu sei que é verdade.Deus deve ter gasto um pouco mais de tempo em você!"
Esse post foi publicado em Conspiração Michael Jackson by Afrodite Jones, Julgamento e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s