Livro Man in the music -Cap 5 – HIStory: Money, Come together

7.             MONEY

(Escrita e composta por Michael Jackson.
Produzida por Michael Jackson.
Arranjo: Michael Jackson.
Vocal guia e background: Michael Jackson.
Teclado e programação: Brad Buxer)

 

Em 1995, era fácil ver a faixa seguinte, “Money”, como uma continuação das queixas pessoais de Jackson. Felizmente, anos mais tarde, ela pode ser apreciada, simplesmente, pelo que ela é: uma intrigante joia, com uma mensagem muito relevante, que denuncia ganancia e materialismo.
Como o single do Pink Floyd, de mesmo título, a faixa explora como o amor pelo dinheiro – e o sistema de interesses egoísticos que ele simboliza – pode consumir (e frequentemente consume) completamente a pessoa. “Você está infectado pela mesma doença da luxúria, gula e ganância?”, Jackson pergunta aos ouvintes dele. Nos versos, ele quase sussurra a sinistra acusação dele: “Então, você vai à igreja/ Lê a palavra sagrada/No esquema da vida/ Tudo isso é absurdo.” Religião, ele está sugerindo, é, frequentemente, nada mais que fachada, quando o verdadeiro objeto de adoração de alguém é o dinheiro. “Você quer um pote de ouro”, ele canta em outro verso. “Precisa do toque de Midas/Melhor você vender sua alma/Aposto que você vende sua alma/ Porque seu Deus é assim.”
Há incisivas palavras direcionadas a uma cultura de tele-evangelistas, esquemas de enriquecimentos rápidos, corrupção corporativa e uma obsessão social comandada com riqueza e status.

Composta e produzida inteiramente por Jackson, a música se desenvolve em três brilhantes linhas de baixo sobrepostas e um rap falado. “Michael é um mestre artesão”, diz Brad Buxer, quem trabalhou com Jackson na faixa. “Ele veio com este groove. Nós estávamos usando samplers Emulator 3, e ele disse: ‘Eu gosto deste som no meio do refrão. ’ Assim, nós colocamos elementos no refrão, isolamos certos transientes e os reacomodamos. Basicamente, eu apenas segui as instruções de Michael.” Quando a música progride, ela se desenvolve em um arranjo de ritmos fantasticamente postos em camadas e harmonias que remontam ao melhor trabalho dele em Off the Wall.

________________________________________________

8.                COME TOGETHER

 
(Escrita e composta por John Lennon e Paul McCartney.
Produzida por Michael Jackson e Bill Bottrell.
Programação de sintetizadores
.Bill Bottrel
Vocais líder e background: Michael Jackson.
Guitarra: Bill Bottrell.
Percussão: Bill Bottrell)

 

Gravada vários anos antes com o produtor Bill Bottrell (ela apareceu, pela primeira vez, em 1989, no filme Moonwalker), “Come Together” foi, orginalmente, criada para a trilha sonora de Days of Thunder, estrelando Tom Cruise. A altamente energizada cover dos Beatles teria sido, provavelmente, um grande hit, se tivesse sido lançada com o filme. Quando ela saiu, porém, ficou no cofre por aproximadamente mais de seis anos, antes da inclusão dela em HIStory em 1995. A música nunca tinha sido lançada como single.

Jackson há muito admirava a música dos Beatles, tendo, famosamente, adquirido o Catálogo Beatles/ATV em 1985. Desde a aquisição, Jackson e o advogado John Branca tinham discutido gravar algumas das músicas que, agora, ele era dono (ele gravou, também, um cover do clássico de Sly and the Family Stone,“Hot Fun in the Summertime”).
No fim dos anos oitenta, Bill Bottrell se lembra de estar dirigindo por Los Angeles, escutando as músicas dos Beatles com Jackson, tentando determinar uma boa música para regravar. Eles acabaram escolhendo “Come Together” (a segunda opção era a mais obscura de Paul McCartney, “You Know My Name”)

John Lennon era, de muita maneiras, Jackson sentia, uma alma aparentada: alguém que não poderia se encaixar muito em uma sociedade convencional, mas cujo gênio resta totalmente não ortodoxo.
É justo que Jackson tenha escolhido “Come Together”, uma música que, famosamente, desafia todas as convenções e abertamente abraça a liberdade das estruturas da linguagem, autoridade institucional e ideologia. “Ela lança um fluxo de autoconfessado ‘jargão’, no violento antagonismo de um mundo não esclarecido”, escreveu o crítico dos Beatles, Ian MacDonald, “implicando que a linguagem implantada em tais confrontações é uma armadilha e uma potencial prisão”.

Como Lennon, Jackson adorava jogar com as palavras; ele gostava de formá-las em sequencias incomuns, surpreendentes, (veja “Wanna Be Startin’ Somethin’”) e ele, especialmente, gostava de misturá-las e distorcê-las vocalicamente. É claro, desde Off The Wall, um dos maiores temas da música dele era a habilidade de libertar e unir dela. O famoso verso de “Come Together” – “Uma coisa que eu posso dizer a você é que você tem que ser livre” – isso era em que tanto Lennon quanto Jackson acreditavam nos corações deles. Isso é, como Ian MacDonald astutamente observa, “uma chamada por desacorrentar a imaginação, e por definir linguagem livre, perdidas as rigidezes da política e enraizamento emocional”.

Sonoramente, enquanto os Beatles escolheram adotar um estilo “descontraído” ou “sonhador”, para capturar o sentimento de ser elevado, Jackson optou por uma reinterpretação alta octanagem, que sintetiza o famoso solo de guitarra, destaca o inerente funk da música e funde a letra selvagem com carregada energia e excitamento. Essa energia visceral está toda à mostra na versão ao vivo, no fim de Moonwalker, na qual Jackson improvisa vocais e bate o pé com abandono, enquanto a música o coloca (e a audiência dele) em um estado de êxtase.

“Eu penso que o cover dele é o melhor cover de uma música dos Beatles que eu já ouvi”, diz o engenheiro Matt Forger. “Por causa desta energia. Ele tem a energia que você sente quando você escuta a gravação dos Beatles pela primeira vez. Michael tocou dentro de um lugar emocional. E você pode sentir isso.” Embora tenha sido adiada por anos, “Come Together” é, certamente, uma dos mais notáveis covers dos Beatles, assim como uma simbólica ligação entre dois excêntricos, mas brilhantes, ícones musicais.

 

Livro Man In The Music -Cap 5 – HIStory: You Are Not Alone,Tabloid Junkie

Sobre PoemforMJ

Michael ... "Quando olho no dentro dos seus olhos eu sei que é verdade.Deus deve ter gasto um pouco mais de tempo em você!"
Esse post foi publicado em Livro Man In The Music e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s