Livro Man In The Music- Cap 5 – HIStory : Stranger in Moscow,This time around

3                STRAGER IN MOSCOW

 
(Escrita e composta por Michael Jackson.
Produzida por Michael Jackson.
Vocais guias e background por Michael Jackson.
Arranjos por Michael Jackson e Brad Buxer.
Teclado, sintetizadores e baixo: Brad Buxer, David Paich, e Steve Porcaro.
Percussão beatbox: Michael Jackson.
Percussão: Brad Buxer.
Cordas: Brad Buxer.
Guitarra de fundo: Steve Lukather e Brad Buxer.
Synclavier: Andrew Scheos)

 

Embora ela nunca tenha entrado em nenhum dos grates-hits collections dele, “Stranger in Moscow” é uma das realizações artísticas mais impressionantes de Michael Jackson e, ao longo do tempo, será, sem dúvida, reconhecida como tal.

Poética e evocativa, “Stranger in Moscow” revela o que está debaixo da raiva das duas músicas anteriores. É a versão de Jackson da seminal “A Day in the Life” dos Beatles: uma sombria expressão de isolamento, desilusão e alienação. O crítico musical Tom Molley descreveu-a como uma “etérea e viva descrição de um homem surpreendido por uma ‘repentina e abrupta queda da graça’, caminhando na sombra do Kremlin”. O engenheiro de longa data, Bruce Swedien, sentia que ela era uma das melhores músicas que o cantor já criou. Armond White apoia, chamando-a de “melhor faixa” de Jackson “desde ‘Billie Jean’”. “O conto de angústia fora de compasso, mas cheio de alma dela é eloquente o bastante para mitificar a alienação em termos pop e provocar uma reconsideração de pós-guerra fria, pós-revolta sobre direitos civis.”

Jackson escreveu a música enquanto estava em turnê em Moscow, em 1993, durante um particularmente difícil e solitário momento da vida dele. “Ela caiu no meu colo”, ele recorda, “porque assim é como eu estava me sentindo na época. Sozinho em meu hotel, e estava chovendo, e eu apenas comecei a escrevê-la”. Na verdade, na manhã que a inspiração para a música veio, Jackson chamou o tecladista e diretor musical dele, Brad Buxer, que estava hospedado no hotel. Era 10h30min da manhã e, a pedido de Jackson, Buxer veio imediatamente. “Eu bati na porta e disse: ‘Okay, Michael, eu penso que você me chamou porque você quer ouvir a coisa Sega [Jackson tinha concordado em criar uma melodia para o videogame Sonic the Hedgehog 3]’E ele foi: ‘Não, não, eu quero apenas trabalhar. ’ E, então, havia um piano lá e eu comecei tocando coisas e ele disse: ‘apenas toque, apenas toque’.” Buxer, que era classicamente treinado e tocava inúmeros instrumentos, tinha trabalhado próximo a Jackson nos últimos quatro anos. “Stranger in Moscow”, no entanto, foi a contribuição mais significante dele àquela data. Na sessão do hotel, Jackson iria, em alguns momentos, dirigir, em alguns momentos, simplesmente ouvir até escutar algo que ele gostasse. “Eu toquei para ele um verso e ele adorou”, recorda Buxer. “Daí, ele disse: ‘Toque mais alguma coisa. ’ E eu apenas ia para estes acordes. É uma simples progressão, mas há esta estranha modulação. Terceiras e sétimas são tudo em música… Se você pega uma base em uma quinta ou uma tríade – com um A espesso e E espesso de um A espesso tríade e, então, usar estas notas muito similares como a 3º maior e 7º maior do novo acorde (nesse caso E maior 7) – Você pode torcer o ar com uma pequena batida e fazer algumas coisas psicológicas acontecerem. Você consegue uma poderosa, mas quase invisível modulação, que afeta a psique, simplesmente por alterar uma nota. E, assim, eu fiz isso. E há uma nova seção que é E maior 7 para A e D maior 7 para G, o que é apenas um completo passo abaixo, mesma progressão. Essas são as duas progressões e isso era “Stranger in Moscow”. Uma vez que eles tinham a progressão básica, Jackson desenvolveu a melodia, o que flutua nas notas mais alta dos acordes. Em apenas uma hora e meia, Jackson e Buxer tinham, essencialmente, criado a música inteira. (Jackson iria, mais tarde, terminar a extraordinária letra e adicionar outros ornamentos.)

Não foi muito depois de escrever e gravar a música que Jackson decidiu criar um álbum inteiro de novo material, em vez de apenas algumas poucas faixas arrematarem uma greatest-hit collection. Tanto Jackson quanto Buxer sabiam que eles tinham criado algo especial. Embora, aparentemente, uma simples balada em tom menor, o esparso arranjo de “Stranger in Moscow” captura perfeitamente o sentimento imparcial, vazio, de um homem estranho ao mundo em volta dele. A faixa começa com o som de chuva, então, uma batida lenta, mecânica (construída no beatboxing de Jackson) e uma suave guitarra dedilhada.

Nos versos, Jackson canta em sofisticadas linhas chamada-e-resposta; o efeito eco captura perfeitamente o sentimento de isolamento dele. “Eu estava caminhando na chuva” ele canta. “Máscara da vida, sentimento insano.” Isso começa o que é, provavelmente, a letra mais impressionante da carreira de Jackson, lembrando a poesia de T.S. Elliot ou Rainer Maria Rilke. A narrativa fragmentada que ele apresenta é sobre dissonância cognitiva: Ou o mundo é que é insano ou ele é quem é. Ou, talvez, sejam ambos. No refrão, ele pergunta repetidamente: “Como você se sente?/ Como você se sente?/ Quando você está sozinho e com frio por dentro.” A pergunta, no entanto, é deixada pendente, sem resposta, por toda a música.

Mais tarde, Jackson canta sobre ser “abandonado na fama dele”. Ele sente uma sensação de traição, solidão e desespero que, como a Rolling Stone colocou, “rivalizaria com qualquer dor de roqueiros de Seattle”. Ele é um trágico personagem, como Jay-Gatsby (“isso é o que [o] perseguia, a poeira suja que flutua na esteira do sonho dele”). Jackson descreve o estado mental dele como “Armagedom do cérebro”.

“As palavras retratam as dores dele com versos tão vívidos”, observa o crítico musical Jonathan Conda, “– narrando uma vida de dor contra imagens mentais e sentimento da Rússia Guerra Fria”. No fim da música, Jackson sampleou um interrogatório da KGB, perguntando: “Porque você veio do ocidente? Confesse! Para roubar as grandes conquistas do povo, as realizações dos trabalhadores”.

Para Michael, ícone do mundo Ocidental (e capitalismo), a música apresenta um fascinante paradoxo: uma vez uma criança negra das decadentes ruas de Gary, Indiana, ele se tornou o mais famoso por star do mundo; ele era um autêntico símbolo do sonho americano. No auge de Thriller, a, então, União Soviética, não permitiria que a música dele fosse ouvida; ela teve que ser contrabandeada. Agora, dez anos depois, Jackson estava performando para centenas de milhares de fãs em lugares como Praga e Moscow, enquanto que, essencialmente, estava banido da América. Na música, portanto, ele é um “homem de lugar nenhum”, um vagabundo. Ele tinha sido usado e cuspido pelo próprio país e sistema (uma “súbita e abrupta queda da graça”). Mas ele é, também, um “estranho” na Rússia – preso em um hotel onde a “tumba de Stalin não [o] deixaria estar”. Ele é um pária, um homem invisível, se sentindo descartado, exilado, sem lar e sozinho.

Uma certa redenção, porém, surge no vídeo musical (o qual, como a música em si, é amplamente subestimado). O crítico musical Owen Hatherly chama-o de um “impressionista, semi-noir, ao estilo de conto de sobrevivência de Le Carre… mendigos e edifícios imponentes… localizado em uma paisagem urbana que é uma parte Tim Burton, uma parte Andrei Tarkovsky.” Dirigindo por Nicolas Brandt, ele despreza danças coreografadas e teatrais do showbiz de muitos curtas-metragens de Jackson em favor de algo mais discreto e desolador: uma narrativa visual na qual as vidas de seis isolados estranhos é mostrada, enquanto o mundo se move em volta deles em câmera lenta. Jackson é identificado com essas “pessoas comuns”: ele também está sozinho, e caminha pelas ruas em um longo casaco preto como um fantasma, incógnito. Por volta do meio do caminho no vídeo, contudo, ele e os outros personagens saem na chuva. Enquanto eles são, individualmente, batizados pela água, algo muda: é como se a dor deles fosse purifica e conectada por uma experiência comum: o sofrimento deles. O paradoxo no vídeo, então, é que apenas por expressar ou abrir a solidão e dor de cada um, eles podem encontrar algum grau de conexão.

_________________________________________________________________

4.               THIS TIME AROUND

(Canção e letra escrita por Michael Jackson.
Música composta por Dallas Austin, Bruce Swedien e Rene Moore.
Produzida por Michael Jackson e Dallas Austin.
Coproduzida por Bruce Swedien e Rene Moore.
Programação adicional: Simon Franglen.
Teclado e sintetizador: Dallas Austin. Rap por Notorious B.I.G.)

 

Seguindo a sombria “Stranger in Moscow” vem o colante hip-hop-funk de “This Time Around”. O efeito de tão amplamente diferentes músicas – tanto tematicamente quanto sonoramente – pode ser um pouco chocante para o ouvinte. (Uma música como “In the Back” poderia ter funcionado como uma ponte melhor entre as duas obras primas.) Mas Jackson queria moldar contrastes no álbum e essa música, certamente, possibilitou isso.

Composta por Jackson e o produtor de Atlanta, Dallas Austin, (coprodutor do CrazySexyCool, do TLC), a faixa segue na revolta de “Scream”, enquanto Jackson deixa claro que ele não queria ser uma vítima. “Desta vez”, ele promete sem rodeios aos acusadores e críticos dele, “eu não estou pegando nenhuma merda!” Mais uma vez, Jackson não mostra nenhuma inclinação para autopiedade. “This Time Around” é uma demolição poderosa, corajosa, na qual a crescente revolta de Jackson está toda à mostra. “Até no meu lar eu não estou seguro como deveria estar”, fala Biggie Smalls, “Coisas sempre ausentes/ Talvez pudessem ser meus amigos/Eles não são amigos se eles me roubam.” Com a estrondosa batida dela e os incríveis solos de guitarra, ela foi elogiada pela Rolling Stones como uma “jam dinamite… pronta para remixes”.

A música é notável, também, pelo rap na ponte dela, feito pelo Notorious B.I.G., que, então, no auge da popularidade dele, era, ao lado de Tupac Shakur, provavelmente, o maior rapper do mundo. “Ele era uma figura bastante imponente, quando ele entrou”, recorda John Van Nest da sessão no estúdio. “Eu não tinha ideia sobre o que esperar dele em termos de atitude, mas ele parecia legal, quando ele entrou… Mas quase imediatamente ele exclamou: ‘Ei, Dallas, eu posso conhecer Mike? ’ A isso Dallas respondeu que ele pensava que sim. Biggie foi falar sobre o quanto esta oportunidade significava para ele, como Michael era o herói dele”. Biggie gravou o rap em apenas duas tomadas, antes de esperar Michael chegar para escutar. “[Quando] Michael entrou, Biggie quase se debulhou em lágrimas”, recorda Van Nest. “Eu poderia dizer o quanto isso significava para ele. Michael poderia ter esse efeito em qualquer um, até mesmo nos rappers mais hardcore! Biggie estava quase tropeçando nas palavras dele, curvando-se e dizendo a Michael o quanto a música dele tinha significado para ele na vida. Michael foi, como sempre, muito humilde e continuou sorrindo, enquanto Biggie apenas continuou dizendo o quanto ele o amava.”

Depois de o improvável par ter conversado por um tempo, Jackson pediu para ouvir o rap dele. “Nós o colocamos nos alto-falantes grandes e a deixamos ir”, recorda Van Nest. “Michael adorou. ‘Oh, vamos ouvir de novo’ [ele disse] e nós ouvimos de novo. Michael apenas escutou e agradeceu a Biggie por vir da Philadelphia. Biggie perguntou a Michael, timidamente, se ele poderia tirar uma foto e Michael concordou. Uma foto foi tirada, nós escutamos, novamente e Michael agradeceu a Biggie. Michael disse adeus e saiu, deixando Biggie lá, de pé, parecendo completamente atordoado.”

Livro Man In The Music – Cap 5 – HIStory : Earth Song,D.S

Sobre PoemforMJ

Michael ... "Quando olho no dentro dos seus olhos eu sei que é verdade.Deus deve ter gasto um pouco mais de tempo em você!"
Esse post foi publicado em Livro Man In The Music e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s